Programando em C/C++ – parte 3

Nos últimos dois posts mostrei códigos simples em C. Agora vou falar um pouco mais de teoria: tipos de dados.

ESTE É UM POST ANTIGO

Este post foi importado do antigo blog e o seu conteúdo não foi revisado. O conteúdo deve estar desatualizado e a formatação pode apresentar problemas.

Na linguagem C temos cinco tipos de dados básicos:

TipoEspaçoEscala
char1 byte-128 a +127
int2 bytes-32768 a +32767
float4 bytes3.4e-38 a 3.4e+38
double8 bytes1.7e-308 a 1.7e+308
voidnenhumnenhuma

O tipo char salva caracteres e números inteiros pequenos. O tipo int permite salvar números um pouco maiores, mas ainda inteiros. Os tipos float e double são utilizados para armazenar números de ponto flutuante (com casas decimais), sendo que o double possui maior precisão. O tipo void representa nada, o vazio, o inexistente… por quê? Ora, porque a linguagem foi definida assim! Onde se usa? Na definição de funções (já vimos isso nos posts passados, quando utilizamos int main(void) para definir uma função que não recebe parâmetros).

Podemos ainda utilizar os modificadores de tipo quando necessário. Esses modificadores não são muito utilizados, mas em alguns casos podem ser úteis.

  • unsigned – declara uma variável sem sinal. Na prática, isso “dobra” o limite de armazenamento de uma variável, se não for necessário armazenar valores negativos. Por exemplo:
    int var_int;            // permite armazenar valores entre -32768 e +32767
    unsigned int var_u_int; // permite armazenar valores entre 0 e 65535
  • signed – declara uma variável com sinal, ou seja, não altera nada.
  • short – declara uma variável menor que seu tamanho original, normalmente a metade do tamanho original.
  • long – ao contrário de short, long cria uma variável maior.

Os modificadores de tipo não são tão importantes (a menos que você queira desenvolver um projeto complexo, como um sistema operacional ;)), mas se você quiser pode pesquisar mais no Google.

Por hoje era isso. No próximo post começo a falar de entrada e saída de dados. Até lá! 😀

2 comentários sobre “Programando em C/C++ – parte 3”

  1. C e C++, na sua padronização, declaram que tipos primitivos devem ser “no mínimo” n-bytes de largura, sendo assim, seus tamanhos (ou espaços como informado na tabela) podem variar entre as plataformas de mesmo modo que suas escalas.

    Lembrando que C possui mais do que cinco tipos primitivos de dados (ex.: long, long long e long double). Os tipos primitidos tendem a se diferenciar entre os modelos de dados ( http://en.wikipedia.org/wiki/64-bit#64-bit_data_models ).

    Obs.: C e C++ são linguagens de propósito geral, e suas implementações tendem a variar entre as plataformas. É necessário precaução ao afirmar algo sobre elas, uma vez que o que é verdadeiro em um certo cenário, tende a ser diferente em outro.

    1. Corretíssimo. Mas esse mini-curso é para quem quer aprender apenas o básico, então não achei muito importante entrar em tantos detalhes. Mas de qualquer modo, suas informações são exatas 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *